O futuro tem som de música

Publicado em terça-feira, 01 de agosto de 2017

“Ao lado dos outros quatro irmãos – Cecília, Mirian, Vitória e Bruno, de 15, 14, 12 e 10 anos – e dos pais, Bento e Lane Cruz, eles administram a iniciativa, que conta hoje com mais de 150 alunos”

Na família Cruz, a música sempre foi uma paixão. O ritmo que unia a família era o forró. O avô tocava violão. O pai e os tios também são músicos, todos autodidatas. Ainda assim, apesar da herança artística, Axel e Maíra enfrentaram uma certa resistência quando decidiram trilhar o caminho musical. A falta de perspectivas e a instabilidade financeira eram os principais medos.

Mas não tinha jeito. Axel, o filho mais velho, queria ser instrumentista de qualquer maneira. Escondido de todos, aprendeu a tocar violão. Talento, ele tinha de sobra. Quando o resto da família descobriu, já era um caminho sem volta.

Axel então recebeu um ultimato: se quisesse mesmo ser músico, teria que estudar seriamente. Para ele, isso não seria nenhum sacrifício. Depois de ter algumas aulas com o pai, Axel conquistou uma bolsa no Conservatório de Música Alberto Nepomuceno. Outros três irmãos – Maíra, Cecília e Mirian – seguiram seus passos e também viraram bolsistas da instituição.

Atualmente, todos estão envolvidos no projeto Acordes Mágicos. Os dois irmãos mais velhos são professores, os dois do meio, monitores e os dois mais novos, alunos. A família Cruz é definitivamente uma família de artistas.

Uma sinfonia para o amanhã

O projeto Acordes Mágicos faz parte da Plataforma Sinfonia do Amanhã, rede fundada pela Enel que apoia o ensino de música para crianças e jovens e o desenvolvimento de grupos de referência em cidadania.

No início, haviam apenas dois violões, quatro flautas doces, uma flauta transversal e um violino. Quando Axel e Maíra espalharam pelo bairro a notícia de que dariam aulas gratuitas de mais de dez instrumentos musicais, a comunidade imediatamente começou a se inscrever. A partir disso, rifas, gincanas e recitais beneficentes ajudaram a reunir o valor necessário para comprar outros instrumentos.

Maíra diz que o projeto é uma alternativa à falta de perspectiva dos jovens da comunidade: “Com a música, é possível transformar toda uma realidade”, acredita a jovem professora.

Hoje, o Projeto Acordes Mágicos é formado pela Orquestra Sinfônica (com 64 integrantes), a Orquestra de Flautas (só de crianças), o Quarteto de Violões, o Quarteto de Cordas Friccionadas, a Camerata de Violões e o Quarteto de Flautas Transversais.

“Nosso sonho é tornar o projeto maior, ensinar música erudita para pessoas de outros bairros, municípios e estados. E, quem sabe, um dia levar nossa música para fora do Brasil”

– planeja Maíra

Com tanta determinação, esse sonho está totalmente afinado e dentro do tom.