Movidos pelo Sol

Publicado em Quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

“Vejo o Desafio Solar como um grande filho. É um projeto extremamente relevante, que consegue unir esporte, educação e inovação. Ver os barcos na água é sempre uma sensação gratificante. Tive que abdicar de muitas coisas na vida para tocar o projeto, mas sempre vale a pena.”

– Ricardo Bogea, ex-aluno da UFRJ

Há três anos, o Desafio Solar Brasil ganhou patrocínio da Enel e, atualmente, faz parte do projeto Cidade Inteligente Búzios, desenvolvido pelo Grupo que transformou Búzios em laboratório de pesquisa e desenvolvimento de redes inteligentes de distribuição de energia.

“O Desafio Solar atrai o meio acadêmico e empresas interessadas no desenvolvimento tecnológico, indo muito além da própria competição. É uma mostra concreta das inúmeras aplicações possíveis da tecnologia solar”

– Bruno Cecchetti, diretor de Inovação da Enel no Brasil

Em 2016, cerca de 250 jovens estudantes de várias cidades do Brasil participaram da competição. Entre eles está Matheus Reis, de 22 anos. Capitão da Leviatã – a dona do Poraquê –, ele conta que participar do Desafio Solar é uma experiência única. “É uma das poucas oportunidades que nós temos de colocar em prática todo o conhecimento que adquirimos na sala de aula. Além disso, conseguimos ter acesso a tecnologias e experiências que ainda nos parecem muito distantes”, conta o jovem que viu o mar pela primeira vez na competição do ano passado. Além do Amazonas, com seu Poraquê, estiveram presentes ainda equipes do Pará, Rio de Janeiro, e Santa Catarina.