Enel e BNDES assinam financiamento de 115 milhões de dólares para promover investimentos em renováveis no Brasil

Published on Quarta-feira, 4 Janeiro 2017

Rio de Janeiro, 4 de Janeiro de 2017 – O Grupo Enel e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (“BNDES”), principal agência de financiamento para o desenvolvimento no Brasil, assinaram um contrato de financiamento de 20 anos para um valor total de cerca de 373 milhões de reais (aproximadamente 115 milhões de dólares americanos) para cobrir parte do investimento necessário para a construção  do recém inaugurado complexo hidrelétrico de Apiacás, de 102 MW, no estado de Mato Grosso, na região Centro-Oeste do Brasil.

"Estamos extremamente satisfeitos com o resultado desta transação, que é prova da solidez dos nossos negócios no Brasil", afirmou Francesco Venturini, responsável pela área de Energias Renováveis Globais da Enel. "Apenas um mês depois de Apiacás começar a operar plenamente, conseguimos receber do BNDES financiamento direcionado a projetos industriais e infraestruturas de grande escala no país. À medida que continuamos fortalecendo nossa posição de liderança no Brasil, também continuamos atraindo os melhores parceiros financeiros locais e internacionais, que valorizam nosso compromisso com um país que é tão importante estrategicamente para a Enel ".

Em linha com o contrato de financiamento, a primeira parcela de 293 milhões de reais (cerca de 90 milhões de dólares americanos) foi desembolsada após a assinatura, enquanto a segunda parcela de 80 milhões de reais (aproximadamente 25 milhões de dólares americanos) será liberada no início de 2017, sujeita ao cumprimento de condições precedentes habituais para este tipo de operações.

O empréstimo possui uma taxa de juros baseada na TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo), que é a taxa de juros de longo prazo revisada trimestralmente pelo Banco Central do Brasil. A TJLP atualmente está em 7,5%, portanto abaixo da taxa interbancária no Brasil, que atualmente é de 13,63%. A TJLP é utilizada como taxa básica para empréstimos concedidos pelo BNDES a empresas privadas cujos projetos são considerados elegíveis para obtenção de financiamento federal.

O Complexo Hidrelétrico de Apiacás tem capacidade instalada total de 102 MW e é composto por três centrais: Salto Apiacás (45 MW), Cabeça de Boi (30 MW) e Fazenda (27 MW). Apiacás é capaz de gerar mais de 490 GWh por ano, o suficiente para atender às necessidades de consumo de energia anual de mais de 200 mil lares brasileiros, evitando a emissão de cerca de 280 mil toneladas de CO2 para a atmosfera. Apiacás tem um sistema fotovoltaico em suas instalações de 1,2 MW, somando sua própria energia renovável à produzida pelas usinas hidrelétricas.

A Enel investiu aproximadamente 287 milhões de dólares na construção do Apiacás, um investimento financiado por fontes próprias do Grupo e também pelo financiamento do BNDES.  O empreendimento é apoiado por um contrato de compra de energia (Power Purchase Agreement - PPA sigla em inglês) de 30 anos para venda da geração de energia das três plantas hidrelétricas para um pool de distribuidoras de energia elétrica do mercado regulado Brasileiro.

O grupo Enel, através da subsidiária Enel Green Power Brasil (EGPB) e Enel Brasil, tem uma capacidade instalada total de 1,306 MW no setor brasileiro de geração de energias renováveis, dos quais 401 MW são de energia eólica, 12 MW de energia solar fotovoltaica e 893 MW de energia hídrica – além disso, a empresa tem 442 MW de projetos de energia eólica e 807 MW de energia solar atualmente em execução.