Nossa Energia para a Africa

Publicado em quarta-feira, 18 de outubro de 2017

A conferência RES4Africa, realizada em Adis Abeba nos dias 3 e 4 de outubro, foi uma chance de conhecer melhor a Etiópia e expandir a presença da EGP na África.

“Hoje em dia, as economias emergentes podem decidir quais políticas energéticas seguir, uma vez que as tecnologias de utilização das energias renováveis agora estão disponíveis a custos acessíveis".

Foi assim que Antonio Cammisecra, CEO da Enel Green Power e presidente da Res4Africa, abriu a conferência organizada em Adis Abeba para apresentar a associação na Etiópia. A Res4Africa reúne empresas, fornecedores de tecnologia, o mundo acadêmico e consultorias interessadas em cooperação energética e na promoção de energia renovável na África. Para um continente como a África, que cresce rapidamente, não só em termos econômicos como demográficos, o acesso seguro a serviços energéticos modernos que proporcionam iluminação, aquecimento, transportes e comunicações é uma necessidade primária para garantir seu desenvolvimento. A Enel Green Power já está comprometida com a transformação socioeconômica sustentável da África, com vários projetos na Zâmbia, Senegal, Quênia e Marrocos.

Saber para entender

O evento, intitulado "Promovendo a Implantação da Energia Renovável na Etiópia: um Roteiro Sustentável", foi uma oportunidade para conhecer melhor o território e iniciar um diálogo mais profundo com as comunidades locais.

“A Etiópia é um mercado extremamente dinâmico e, por esse motivo, após o lançamento, ano passado, das atividades do Res4Africa no Quênia, estamos aqui hoje em Adis Abeba”

– Antonio Cammisecra, CEO da Enel Green Power

A Etiópia é o segundo país mais populoso da África, depois da Nigéria, com uma das menores taxas de eletrificação, condições que tornam a região promissora para crescimento.

A Enel Green Power já começou a desenvolver considerações relacionadas a energia solar, e também tem interesse em explorar o potencial de outras fontes renováveis, especialmente a geotérmica, um dos principais ativos da Etiópia.

Uma discussão de 360º

Muitos tópicos foram abordados no palco de Adis Abeba. Alguns exemplos: acordos e investimentos políticos e regulatórios, soluções financeiras e modelos de negócios, problemas técnicos e tecnológicos, desenvolvimento industrial, construção de capacidade e habilidades técnicas necessárias para atender a demanda de energia da África.

Vários palestrantes da EGP participaram: Valentino Rossi, Responsável por Desenvolvimento de Negócios, falou que o risco de investimento nas plantas de energia renovável vem caindo; Michele Porri, Responsável por Desenvolvimento de Negócios na África, participou de um debate sobre os aspectos legais e financeiros do primeiro programa de leilão solar da Etiópia. Manuele Battisti, Responsável por Desenvolvimento de Negócios na África Oriental, moderou uma mesa redonda sobre o potencial de desenvolvimento da geração eólica na região. No segundo dia, Anna Paola Minervini, Responsável por Assuntos Regulatórios da África Subsaraiana, Ásia e Austrália, falou que as ​​soluções de energia descentralizada, além de inovadoras e sustentáveis, são um instrumento eficiente para promover o acesso à eletricidade em áreas distantes e com baixa densidade de carga.